Medo para quê?

Foto: Pinterest.
Foto: Pinterest.

O medo. Esse incrível demolidor de sonhos. Aquele que nos afasta da nossa essência. O que é gerado do desejo, mas com o componente: “ah, acho que não vai dar certo…”.

O monstro que nos paralisa.

Existe algo de bom no medo?

Somente quando corremos um perigo REAL, o medo tem o poder de acionar nossos mecanismos de autoproteção. Nos escondemos, fugimos, vamos para o outro lado do rio para que nada de ruim nos aconteça.

Ele é bom para nos livrar dos PERIGOS REAIS. Mas, e quando os perigos são IMAGINÁRIOS?

Você já parou para analisar friamente todas as vezes que sente medo? Normalmente, temos a tendência de sofrer por antecipação, nada aconteceu, mas estamos lá como se uma catástrofe já tivesse acontecido. Ficamos tão cegos que não conseguimos enxergar a situação sobre outras óticas e perspectivas.

Muitas vezes até escolhemos não viver determinadas experiências para evitar o sofrimento, a dor.  Temos medo de sofrer, porém, nos fixamos à ilusão de que se pararmos, brecarmos a situação, paralisarmos, tudo vai ficar sob controle. Não haverá dor, o medo irá embora.

Mas, podemos controlar o curso das coisas? O mundo, o tempo todo, produz coisas capazes de nos dar medo, porque tudo está em constante mudança. Eu mudo, você muda e nós alteramos o todo (querendo ou não) o tempo todo!

Mas não podemos fugir da VIDA. Precisamos viver e sermos os agentes de mudança. Se não o fizermos, tudo ao nosso redor faz por nós. E corremos o risco de estarmos em nosso barco numa correnteza ou de navegarmos o barco de outro, perdendo nossa essência em algum lugar.

Temos armas? Claro que temos! Sempre.

Contra o medo, a primeira coisa a ser feita é reconhecê-lo. Sabendo de onde ele vem, as suas causas e seus pormenores, é mais fácil dominá-lo. É uma busca interior profunda, talvez dolorida, mas que vai mostrar claramente quais são os monstros e os demônios que moram dentro de você que mais te assustam. Muitas vezes, uma terapia pode te amparar nessa descoberta que pode ser aterrorizante, até o momento em que tomamos plena consciência.

Respira bem fundo, inspira, expira e jamais deixe de enfrentá-lo.

Se dar um bom dia àquela garota te deixa aterrorizado, é exatamente isso que deve fazer. Se falar em público te fulmina e você tem de fazê-lo, faça. De peito aberto, encare!

Quando eu dançava, passei por diversas situações assim. Eu sempre tive pavor de me expor, de ser exposta ao ridículo, de passar alguma humilhação pública. Bem, as causas desse terror (é bem mais que medo) eu ainda as procuro dentro de mim. Algumas respostas eu já tenho. E continuo na tarefa de descobrir.

A dança foi espetacular  para que eu começasse a enfrentar esse medo. Dança do ventre, uma forma mais sensual, com barriga de fora, movimentos sinuosos da dança tribal (que eu amo!), que mostram uma cultura maravilhosa e pela qual sou completamente apaixonada. Mas havia o público, o terrível monstro que me espantava.

Nas minhas primeiras vezes no palco eu tremia muito, minha mente se fechava e eu tinha uma dificuldade muito grande em lembrar as coreografias.

Numa ocasião, tivemos que nos apresentar num desfile, porém esse desfile era numa avenida! Sim, nove da manhã, com metade da cidade como expectadora.

Num primeiro momento posso dizer que passei noites sem dormir, cheguei a rezar para chover e o evento ser desmarcado. Mesmo pensando em desistir milhares de vezes, participei de todos os ensaios e o dia da apresentação amanheceu com um lindo sol brilhante. E fui para a concentração na avenida. Tinha que ir. Tinha que enfrentar.

Quando iniciou o desfile, no momento da nossa entrada, comecei a tremer e a suar frio, parecia que eu não iria conseguir comandar as minhas pernas, nem os movimentos suaves dos braços. Saímos da concentração e entramos na avenida.

Não sei dizer exatamente o que aconteceu. Parecia algo mágico! Acredito que o meu amor à dança e à arte falou mais alto. Quando encarei o público e ouvi aquela música forte e alta me chamando, foi como se eu tomasse uma injeção de ÂNIMO +CORAGEM + AUTOESTIMA= A MELHOR DANÇA DA MINHA VIDA! Foi libertador!

Depois daquilo, todas as vezes que subia ao palco era uma experiência deliciosa. Enfrentei o medo e o venci.

Eu aguardando ansiosa na avenida… Hoje,uma das fotos que mais amo.

Muitos outros eu também os enfrento. Muitas vezes, apenas ficando quieta e prestando atenção na minha respiração, centrando-me no momento presente, percebendo que eu não corro perigo, que a minha mente é que é um perigo, porque ela pode fazer com que eu acredite que ele realmente existe e não ter nada ali.

Se a sua opção é viver plenamente, o enfrentamento do medo não é uma opção. É uma necessidade. E dentro de você existem e coexistem todas as forças para se dar bem nessa luta.

Boa sorte!

Luciana Ferro – em 15/08/16

Qual é a sua aflição?

Forest. Imagem: midfig.tumbrl.com
Forest. Imagem: midfig.tumbrl.com

O que o deixa tão aflito? O medo de errar de novo?  Acabar se sujeitando a dogmas novamente? Ficar preso a um círculo de regras que não sejam sua própria consciência?

Vá para um bosque, para um parque ou um jardim. Olhe as árvores. Cada uma delas.

Mesmo estando num mesmo terreno, numa mesma localização geográfica, elas não são iguais. Em absoluto, uma é igual à outra em seu campo de visão.

Aquiete-se agora e sintonize a energia que cada uma emana. A energia da Grande Mãe, a energia do “menos é mais”, a energia do “estar sozinho também é enriquecedor”, a energia observadora e a energia do céu e da terra em que as árvores e você estão e que a tudo nutre.

Nutra-se com essa energia. Acalme seu coração. Respire fundo e saiba que você pode e tem condições de fazer as mudanças que deseja em sua vida.

Num dia, desvincula-se de algo doentio que te faz muito mal.

Em outro, aprende a dizer não. E também a dar abertura para possíveis “sims”, que antes eram impensáveis.

Você pode ser inteiro, pode ser você, torçam o nariz ou não. Pode fazer o que quiser com a sua vida, celebrando a alegria, a integridade, a luz que emana da sua essência.

Com a consciência de que apenas deve ter muita responsabilidade quando mexe com outras vidas. Com estas outras, você não pode fazer o que quiser. É tempo de adquirir consciência dessa responsabilidade.

É momento de se lembrar de muitos conhecimentos adquiridos ao longo de eras e reencarnações, ao longo de sua vida, de suas existências, que lhe serão muito benéficos, não só a si, mas a muitos.

Sim, hoje você ainda erra e continuará errando. Mas aprende com cada erro cometido a sua exata lição! Tudo acontece para nos ensinar.

Segue meditando, em contato com a natureza, buscando cuidar de si e do que está ao seu redor, melhorando a sua atitude nos ambientes em que vive. Isso trará muitas curas e mudanças a você.

Vai, não pare! É hora em que a caminhada vale mais que a chegada, sem timidez, sem preocupações com o que vão pensar, sem medo (enfrente-os!).

Vai! Agora é o momento de ganhar a sua parcela do mundo, de garantir que está vivendo com mais propósito.

Isso tudo é seu! Abrace as suas chances. Crie-as. Levemente olhe para o seu mundo e divirta-se criando o que seu coração pede.

Luciana Ferro – 10/08/2016

Benefícios do Reiki

keep calm_reiki

Reiki é uma técnica simples e prática, complementar a todo e qualquer tratamento.

Não tem conotação religiosa ou dogmática.

Rompe tempo e espaço. Pode ser usado em benefício de multidões e do Planeta.

É um método seguro, uma energia inteligente que atua a seu favor.

Cuida do ser integral e não somente dos sintomas.

Alivia sintomas de tensão e estresse.

Remove bloqueios emocionais.

Acalma a mente, clareia os pensamentos e as emoções.

Auxilia no equilíbrio físico, mental e espiritual.

Fortalece o sistema imunológico.

Aumenta seu reservatório energético e sua força vibratória.

Alivia a dor.

Desintoxica.

Dissolve bloqueios energéticos (eliminando a origem das doenças).

Desperta potencialidades adormecidas, como autoconfiança, coragem, alegria, paz.

Promove harmonização energética, regenerando células e proporcionando saúde.

Marque sua sessão! Busque maior qualidade de vida!

Entre em contato conosco pelo e-mail: plenamenteser@gmail.com

Gratidão!

Luciana Ferro – 08/08/2016

 

Alma

Imagem: Pinterest
Imagem: Pinterest

A frase é de Lao Tsé.

Procuro aprender sempre. Meus sentidos não me deixam satisfeita se eu não estiver aprendendo algo.

Já compreendi: serei uma eterna estudante, pesquisadora, fuçadora, buscadora…

Meu tema principal? A alma humana e suas relações com o tangível e o intangível, sua profundidade, suas perfeições e imperfeições, sua genialidade e potencialidades.

Assim compreendo os outros, o mundo e a mim mesma.

A alma humana é bela!

Luciana Ferro – 03/08/2016

 

Cursos de Reiki – Agosto 2016

Novos aprendizados e um salto quântico em sua energia, saúde física, emocional e espiritual?

Aproveite esta dica:

Novas turmas neste mês de Agosto, para os cursos de Reiki Sistema Usui e Tibetano, com a Mestra e Terapeuta Reikiana Luciana Ferro.

Confira as datas:

Dia 13/08/2016 – Reiki Nível 3

Dia 20/08/2016 – Reiki Nível 1

Dia 27/08/2016 – Reiki Nível 2

Investimento: R$250,00 – (cada nível – pode ser parcelado em duas vezes). Horário: 14 horas.

Local: Avenida José Betone, 108 – Jardim Vale do Sol – Presidente Prudente/SP.

Maiores informações: entre em contato conosco.

Para inscrições: deixe seu nome, e-mail e telefone nos contatos ou nos comentários.

Gratidão!

Reiki - energia inteligente. Imagem: Ana Paula Granjeiro.
Reiki – energia inteligente. Imagem: Ana Paula Granjeiro.

 

 

 

A sua parte…

não espere esperrando

Quer amor? Ame.
Quer compaixão? Seja compassivo.
Quer paz? Seja um pacificador.
Quer abundância? Dê abundantemente e seja grato.
Quer esperança? Seja esperançoso.
Quer liberdade? Seja livre.
Quer uma vida diferente? Faça algo diferente.
Quer ser ouvido? Escute.
Quer a última palavra? Silencie.
Quer a iluminação? Esteja no presente.

Luciana Ferro – 01/08/2016

 

Autorresponsabilidade no processo terapêutico.

Reiki
Reiki

Num processo terapêutico, o terapeuta orienta, desenvolve sua técnica direcionada para a ajuda, busca as melhores opções de cura.

Mas se aquele que recebe a terapia não se compromete com o caminho da AUTOCURA, nada fará efeito. Ele não sairá do caminho, porque mesmo recebendo todo amparo e ajuda, ele tem que fazer a sua parte no caminhar, para trazer a sua saúde física, mental e espiritual de volta.

É um processo de autoconhecimento e de evolução. Para isso, ele também terá trabalho e responsabilidades. E terá que encarar coisas dentro de si que não serão fáceis de encarar. Demônios, medos, ansiedades, loucuras, lixos.

Muitos não querem ficar cara a cara com isso e interrompem o processo. É mais fácil procurar o que tira a dor com as mãos mas não trata as causas. As causas ficam escondidas debaixo do tapete do inconsciente, para na próxima crise, virem à tona e exigirem novamente a ação concentrada daquele que precisa da cura. E ai, vai encarar?

No Reiki, toda a energia que a pessoa necessita para a sua cura fica disponível dentro dela, após recebê-la. O que ela fará com essa energia determina se vai melhorar ou não.

O Reiki sempre fará bem e sempre despertará o ser para atitudes mais benignas consigo e com o problema enfrentado.

Se damos espaço para o Criador que vive dentro de nós, muitas coisas boas acontecem. Mudanças para melhor, cura, menos estresse, mais entendimento de si mesmo, mais alegria e satisfação.

Marque sua sessão e inicie essa caminhada fantástica em sua vida! Sempre para melhor!

Luciana Ferro – em 01/08/2016

O Universo e Eu – (des)encontros

 

Foto: Pinterest - floroxapoemas
Foto: Pinterest – floroxapoemas

Eu peço e o Universo não responde ou responde de maneira atravessada.

Ele e os meus sentimentos estão em desencontro.

Ou eu sou o desencontro?

Quanto me prezo para ser atendida? Quanto amo para estar em sintonia?

Furo fila? E quando me descobrem colocam-me lá atrás novamente?

Comporto-me como uma menina mimada? Quero tudo e não quero nada?

Vou tão fundo desarrumando tudo que para voltar ao lugar, a bagunça é tão grande que me sinto incapaz?

O aparente caos do Universo não é o meu caos aparente.

Ele me levará à perfeita ordem universal que pulsa em paz e harmonia.

Mas, por enquanto, ouço Stones, Einaudi, mantras e sambas.

Tudo em perfeita ordem desordenada, da sinfonia da vida, dos mistérios inexplorados do meu próprio ser.

Não quero juízo.

Luciana Ferro – 10/07/2016

Sobre a sensibilidade, o autoconhecimento e a prática dos melhores valores que uma pessoa pode ter por si e com seus relacionamentos I.

Foto: Google
Foto: Google

Por vezes, os relacionamentos nos deixam muito perdidos, pois não sabemos como lidar com determinadas pessoas. Algumas são tão fáceis de conviver e outras tão complicadas!

Isso acontece em casa, no trabalho, na rua, em todos os meios em que atuamos. Não é cruz que um só tem que carregar nessa vida; todos nós temos dificuldades em nossos relacionamentos. Não pense que só você é privilegiado! Pois os relacionamentos são condição natural para nosso crescimento.

Mas não são necessários malabarismos mentais para tentar entender a situação ou a pessoa ou grupo de pessoas onde surgem as dificuldades.

Importante, em primeiro lugar, é que todos os dias você separe alguns momentos para você! E esse é um momento que você não pode desperdiçá-lo. Sem música, sem distrações, você vai cultivar o silêncio por alguns instantes. Vai olhar para dentro de você, sem julgamentos, sem culpa, e verá o que vai encontrar.

Imagem: cativamee.blogspot
Imagem: Mônica Crema

Todos os dias ao menos por 5 minutos.

Difícil falar isso para qualquer pessoa! Você vai me dizer: mas dentro da minha mente não existe silêncio!

Mas você está lá e é dono da sua mente. Existe você e seu poder.

Com toda certeza vai encontrar lugares bonitos. Mas também encontrará o seu lado B.

Alguns lugares mais sujos, mofados, empoeirados também. Aqueles lugares onde normalmente não prestamos atenção a eles ou os repudiamos por diversos fatores. Alguns sentimentos que, por vezes, preferimos varrer para debaixo dos tapetes sujos das nossas mentes.

Mas aqueles que nem sempre conseguem ficar lá escondidos e ressurgem como monstros nos momentos mais impróprios, quando mais precisamos ter calma ou foco, ter equilíbrio e serenidade. Ressurgem e colocam muita coisa a perder… Porque de tanto os escondermos, não sabemos o que fazer com eles quando aparecem, e eles nos dominam.

Olhe-os, encare-os de frente, com uma atitude amorosa e gentil para com esses sentimentos e emoções tão duvidosos. Eles precisam ser acolhidos, compreendidos. Jamais banidos.

Ao acolhê-los você já começa a transformá-los. E ao transformá-los sua forma de ver o mundo e de ver os outros também muda.

E  também se torna capaz de se relacionar melhor com cada um, principalmente porque você se relaciona bem consigo mesmo.

Começa a se tratar com gentileza, amor, carinho e compreensão. Conhece-se o quanto pode numa atitude construtiva, jamais numa atitude destrutiva.

E a partir desse movimento você também é capaz de desenvolver maior empatia, a ter atitudes mais serenas, um coração mais tranquilo, que respinga em quem está ao seu lado. Esse é o respingo bom! Não aquele cheio de ansiedade, medo, tristeza, ira ou raiva…

Tudo isso é um movimento sutil e de grande poder transformador, de empoderamento.

Não acontece da noite para o dia, mas acontece com um auto trabalho contínuo, com disciplina e amorosidade.

Bom trabalho!

Luciana Ferro – 05/07/16

A paz que começa de mim

paz_casal_laboreria

Duas pessoas moram na mesma casa, dividem o mesmo teto, têm uma história em comum.

Num dia, na mesa do café da manhã, trocam dez palavras entre elas e algo acontece com as suas capacidades cognitivas, de discernimento e de linguagem. Pronto, não conseguem mais se entender!

Uma conversa que se iniciou pacificamente, que por algum gatilho, passa a ter tons de impaciência, intolerância, raiva.

O que aconteceu? Por que duas pessoas que, aparentemente, não têm nada uma contra a outra, que, aparentemente, jogam no mesmo time, não conseguem mais se entender e muito menos tratarem-se com respeito?

Posso discorrer milhares de motivos aqui, desde divergências de vidas passadas até comportamentos diários bem palpáveis de um ou de outro que, num determinado momento, desencadeiam os desentendimentos.

Mas será que não deveria haver em ambas as partes a preservação da paz interior? Em consequência, a preservação da paz ao redor? Ao menos essa tentativa…

Como já dizia Freud, o problema nunca está no outro, o outro é problema dele, mas você é seu problema.

Desta forma, cabe a você a maneira de reagir aos impulsos do outro, cabe a você se estressar e estragar seu próprio dia, não se responsabilizando pela culpa de um dia ruim.

Mas só existe uma verdade: cabe a você a forma como lida com o que o cotidiano e suas relações lhe trazem.

Degradante é reconhecer o quanto desperdiçamos oportunidades positivas o tempo todo. Oportunidades de ficar bem, de amar, de mudar, de fazer o melhor para si e para o outro.

Por favor, tenha responsabilidade pela energia que você traz para esse espaço. Imagem: Pinterest.

Fazemos isso em casa, fazemos o mesmo em sociedade, fazemos o mesmo na internet. E damos cada vez mais ibope para acontecimentos ruins, exemplos que nos distanciam de uma vida pacífica e plena.

É urgente que a sociedade seja impactada para o bem. Não podemos acreditar que podemos massacrar, abusar, desrespeitar, devido à nossa história de vida, devido aos maus exemplos que vemos por aí todos os dias, devido às nossas crenças e valores.

Respeito, igualdade, tolerância, seriedade no trato com as pessoas, humildade e atitudes pacíficas estão tão necessárias neste momento como a água que bebemos ou o ar que respiramos.

E com atitudes negativas e violentas (seja por práticas, palavras ou pensamentos), sintonizamos numa estação energética tão ruim, que até o ar e a água impregnam-se do que é tóxico.

Isso quer dizer que só depende de mim. Eu limpo, eu purifico, eu exerço o amor, o respeito e planto sementes de paz.

Feliz Julho!

Luciana Ferro – 01/07/2016

Aqui você encontrará informações e histórias interessantes que farão com que você pense um pouco fora dos padrões originais e abra-se para a conquista de uma mente plena, mais aberta e flexível, focada no presente e em como este presente é uma dádiva para ser recebida e vivida com muita gratidão.